Manifesto Revolucionário

1. O nosso estado actual não é de bem estar social
Mas de medo, de violência e de caos total
O Executivo através de aparelhos ideológicos
Forja paradigmas desumanos e teratológicos
E com discursos dissimulados, e falsa bondade
Dissemina preconceitos e esconde a verdade
E assim cresce a desigualdade
Massacrando inocentes e exaltando covardes
Mas a luta continua, senhoras e senhores
Ainda há pensadores
Que buscam a verdade para desmascarar os opressores
Principalmente os corruptos e traidores
Que sabem iludir o povo em troca de favores
E usando de boa aparência e da demagogia
São eleitos pelo voto da empolgada maioria
Não fazem uso do seu papel de cidadão
Desviam o povo do caminho da emancipação
Nem todos são nossos... Quem é quem? Eis a questão!

2. Tratam os jovens como sonhadores inconvenientes
E ainda querem que o país vá para frente
Só que eu tenho algo a dizer
Aos que vendem a alma ao sistema em troca de poder
Conflitos não se resolvem com violência
O diálogo é a arma para superar as diferenças
Reconhece nas diferenças a diversidade
Porque nunca será sinonimo de desigualdade
É possível uma Angola melhor
Só que poucos acreditam e pensam no pior
E ficam a pensar uma eternidade
São reaccionários, só sabem reclamar da realidade
Alguns se perguntam: o que posso fazer?
A estes respondo: a mudança começa em você
Em vez de deixar iludir
Começa a reflectir e a agir
Exerça a tua cidadania seja onde for
Não vendas a tua moral aos interesses do opressor
Exerça a tua cidadania seja onde for
Não vendas a tua moral aos interesses do opressor.

3. Toda mudança requer coragem e ousadia
E começa com pequenos gestos dia após dia
Muita coisa não é como deveria ser de facto
Me diz se não é verdadeiro este relato:
As religiões que deveriam ensinar a humanidade
Coisas como a misericórdia e a fraternidade
Brigam entre si, por luta vaidade
E cada uma diz ser a dona da verdade
A família que é o passo fundamental
Para o convívio pacífico social
Hoje desfaz seus preciosos laços, é verdade
Poucos relacionamentos têm continuidade
A escola que deveria preparar pessoas para a vida
Hoje é o palco duma violência desmedida
Assim fica difícil lutar pela emancipação
Ou despertar consciências para uma transformação
O trabalho que deveria ser o meio digno
Pelo qual o ser humano se realiza
Tornou-se algo desprovido de sentido
Porque só aliena, só explora, só escraviza.